Religião, poder e violência na nova individual de André Griffo